2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos Durante a Ditadura Militar

Que vivam os Povos Indígenas! Que vivam Bem!

sábado, 26 de maio de 2012

Tragédia Recorrente


Mais uma vez nos surpreendemos com o brutal assassinato de uma adolescente em Presidente Figueiredo. Mas uma vez nos indignamos...

Mas, e quando é que vamos parar para refletir? Não digo pensar no imediato, no calor da dor. Digo refletir profundamente sobre as causas; digo ir além da mera resposta fácil do bode expiatório, do criminoso da vez. Quando?

Que são monstro, não discuto, concordo!!! Mas olhem com atenção as fotos. São jovens!!! São talvez tão vítimas quanto Adriely. Ela que não estará em meio a seus amigos, sorrindo e fazendo sorrir. Mas que tem, quem sabe, o conforto do que está para lá do Terreno.

Eles, coitados, condenados a uma morte viva. Condenados a morte social. Condenados a carregar em cada um dos seus passos na Terra o peso de tão grande crime.

Ela, Eles,tantos outros, todos nós; Ferrugem, Itaituba, ... Todos vítimas! Vitimas fatais; vítimas da angústia; vítimas do medo... Todos vítimas!!

Sim, todos vítimas, mas também culpados!! Uns mais outros menos, mas culpados!! Uns mais conscientes, outros menos, mas todos culpados!!

E para quem ainda não viu sua culpa, digo: estás entre os menos conscientes, mas não posso responder se estás entre os mais culpados!! E acho que não cabe este debate aqui; se o fizermos corremos o risco de mais uma vez buscarmos se esconder atrás de bodes expiatórios.

Cabe, sim, começarmos a ver os problemas.

O problema de pensarmos, quando muito, em políticas para a juventude, e nunca políticas com a juventude. De tratarmos a juventude como incapaz de pensar o futuro, de sonhar o futuro, de viver o futuro. De impedirmos a juventude de criar as políticas públicas, pensar as políticas públicas, viver as políticas públicas. De impedirmos que a juventude pense a cidade e a floresta, viva a cidade e a floresta, construa a cidade e a floresta cultural.

Falo da juventude, mas isso não vale só para a juventude. Vivemos numa sociedade de repressão, onde não se permite uma ampla participação. Numa falsa democracia, onde após um processo viciado de votação prevalece o silencio, a repreção, o jogo sujo, a humilhação do puxasaquismo...

Ôps, ôps, ôps... Não comece a pensar que a culpa é do fulano ou do beltrano político. Não, não, não. É deles também; mas eles também são vítimas. Eles também são prisioneiros deste sistema viciado que só se desconstrói com uma ampla participação da sociedade. Participação e transformação.

Só se desconstrói quando criarmos um ambiente que - para lá dos guetos - discute, critica, ouve, constrói coletivamente apesar das diferenças. Um ambiente onde se pense o futuro um pouco mais para frente; onde o medo de perder o emprego, ou a comodidade de um emprego de ‘carrapato-de-saco’ não impere, não impeça a ação, a denuncia, a crítica e a construção coletiva.

Onde se possa criticar a forma que se organiza a Festa do Cupuaçu sem ouvir que é mera intriga. Onde se possa denunciar que esta forma megalomaníaca leva à violência, à prostituição, à bebedeira. Onde cada um possa ajudar a construir uma política cultural que valorize as pessoas; que valorize o local; que valorize a cultura.

Onde mais que pensar sobre a ação de repressão quando o crime já foi cometido; mais que pensar em correr para chamar a polícia quando o sangue já se misturou a água do Urubuí; mais que achar que fazer justiça é bradar pela morte dos assassinos, que são, como estamos vendo, também vítimas; Pensemos, isso sim, em como criarmos oportunidades de vida. E destaco: Oportunidade de Vida, e não de emprego como muito se pensa que é a solução.

Oportunidade de Vida, de Criação, de Participação, de Envolvimento e de Compromisso com a Sociedade.



Por: Maurício Adu Schwade
Casa da Cultura do Urubuí, 26 de maio de 2012.

2 comentários:

  1. Adu, mas uma vez se superando! Indo a fundo no problema, buscando solução, propondo MUDANÇA DE VIDA, não uma simples melhora na situação...
    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Meus sentimentos a família pela morte da menina Adriely

    ResponderExcluir