2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos Durante a Ditadura Militar

Que vivam os Povos Indígenas! Que vivam Bem!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

A capitulação do PT



“O PT apoiou este mesmo Rodrigo Maia que, no dia 12 de maio, fez um post na sua página do Facebook com a seguinte chamada: “Impeachment aprovado! O Brasil está livre do PT!”. A capitulação do PT, além de covarde e desastrada politicamente, além de fortalecer a direita orgânica que pode, de fato, construir um projeto para 2018, além de fortalecer o eixo PSDB-DEM, além de fortalecer o governo Temer, é uma capitulação vergonhosa e inominável. Foi a demonstração cabal de que o PT não quer a volta de Dilma Rousseff à presidência da República”, escreve Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em artigo publicado por Jornal GGN, 18-07-2016.

Segundo ele, “não resta dúvida de que existem muitos militantes e ativistas combativos, honestos e responsáveis noPT. Mas é preciso sair da letargia, expor publicamente a crise do partido e buscar publicamente uma solução com os combates internos que precisam ser feitos. Não é mais possível se esconder por detrás da autovitimização e da autocomplacência. Assim como a corrupção torna os líderes lascivos e indolentes, a autocomplacência é o lodo onde se afogam todos os princípios, toda a coragem, todos os compromissos. A história é pródiga em demonstrar, inclusive a história da esquerda, que a perda de liberdades e de direitos e a ascensão de ditadores, tiranos e conservadores é culpa da existência de líderes populares que se corrompem”.

Eis o artigo.

Boa parte das pessoas democráticas, progressistas e de esquerda assistiu, na semana passada, não sem amargura e indignação, um último e vergonhoso ato de capitulação do PT no processo de eleição do novo presidente da Câmara dos Deputados. Pessoas, diga-se de passagem, que sempre se engajaram nas campanhas do PT, que se mobilizaram em 2014 para impedir a vitória de Aécio Neves e que adotaram uma postura ativa contra o golpe que tirou Dilma do governo.

Justamente no momento em que o afastamento da presidente se encaminha para seu capítulo final no Senado, o PTdecidiu dar seu aval a um líder do liberal-conservadorismo orgânico, que é Rodrigo Maia. O mesmo Rodrigo Maia que vinha fazendo um discurso democrático e pluralista até o dia das eleições e que, no momento da vitória chegou a fazer um discurso de chefe renovador de um poder da República para, no dia seguinte, ao encontrar-se com Michel Temer, se transformar imediatamente em líder do governo, chamado para si a responsabilidade de unir a base governista. Quer dizer: o figurino com o qual Maia se apresentou no momento da vitória não durou 12 horas. O encontro comTemer demostrou claramente qual será o seu papel: serviçal do Palácio do Planalto. Se o PT acredita que estamos diante de um governo golpista nada mais fez do que fortalecer esse governo.

O PT apoiou este mesmo Rodrigo Maia que, no dia 12 de maio, fez um post na sua página do Facebook com a seguinte chamada: “Impeachment aprovado! O Brasil está livre do PT!”. A capitulação do PT, além de covarde e desastrada politicamente, além de fortalecer a direita orgânica que pode, de fato, construir um projeto para 2018, além de fortalecer o eixo PSDB-DEM, além de fortalecer o governo Temer, é uma capitulação vergonhosa e inominável. Foi a demonstração cabal de que o PT não quer a volta de Dilma Rousseff à presidência da República.

O PT é, hoje, um partido sem direção, sem comando, sem estratégia e sem tática. Desde a vitória de Dilma em 2014, o partido vem se esforçando para se autodestruir, destruir a esquerda e destruir a possibilidade e o sonho de um Brasilmelhor que milhões de brasileiros acreditaram factível com os governos petistas.

A capitulação do PT é covarde, vergonhosa e inominável porque quando o partido ascendeu o poder e durante os governos Lula milhões de brasileiros acreditaram que tinha surgido um formidável raio de sol para iluminar o Brasil e para iniciar um processo de remissão de injustiças seculares, desigualdades seculares, discriminações seculares e violências seculares contra os mais pobres, contra as mulheres, contra os negros.

O que se viu, ao cabo desse processo, é que a luz da remissão foi apagada por uma densa nuvem cinza que se transformou no lodo da corrupção, da incompetência, da burocracia partidária se locupletando nos cargos públicos abandonando e esquecendo os compromissos com o povo. O que prevaleceu foram os interesses individuais e os interesses do partido, os interesses particularistas, contra os interesses populares, castrando o processo de universalização de direitos.

O que o PT fez com as emoções sublimes e jubilosas que milhões de brasileiros experimentaram em 2002 com a vitória de Lula? O que o PT fez com o entusiasmo que milhões de brasileiros, que milhões de mulheres, que milhões de jovens, que milhões de negros, que milhões de excluídos, que milhões de pobres, que milhões de sem-teto, que milhões de sem-terra, que milhões de sem trabalho digno experimentaram ao ver Lula na presidência acreditando que, finalmente, o presente havia se reconciliado com o futuro e que o país havia encontrado o caminho da justiça e da igualdade?

Pelo fim da autovitimização e da autocomplacência

Se o PT tinha alguma chance de aparecer como vítima de um processo golpista que lhe arrancou o poder legítimo esta chance terminou de ser afogada na semana passada na lamacenta política brasiliense das negociadas escusas. De agora em diante, a única pessoa, em que pese os seus inúmeros erros, que pode ainda reivindicar a posição de vítima é Dilma, mas não mais o PT. O PT e, neste caso, junto com Dilma, se entregaram pacífica e covardemente a um processo de degola política urdido por Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves e uma horda de deputados e senadores que não se cansam em saquear o botim da coisa pública. Botim que foi saqueado com a participação do próprio PT.

Contra Cunha na disputa para a presidência da Câmara, no início de 2015, o PT decidiu enfrenta-lo com candidatura própria, isolando-se, quando o momento era o de buscar um tertius justamente porque ali sim havia um mal maior a ser evitado. Contra Rosso e Maia, quando não havia nada a perder, quando havia dois males equipotentes, quando o PTdeveria lançar ou apoiar um candidato que expressasse indicativos de um novo programa para o Brasil, um programa de reformas para o futuro, o PT, servilmente, abdicou de seu papel, desapareceu como protagonista político e, às escondidas, apoiou Maia fortalecendo os seus principais inimigos.

Ao longo de 2015 o PT e o governo flertaram com Cunha até o momento em que este deu por acabado o processo de construção do golpe. Quando Cunha, num ato farsesco se autoconvocou para depor na CPI da Petrobras, o representante do PT e relator da Comissão, deputado Luís Sérgio, teve a ignominiosa conduta dos subservientes, encoimando sem pudor o farsante. Mas a Deusa Fortuna, que é muito mais esperta do que o PT, quis ela se vingar em nome do povo e transformou a farsa na forca para Cunha.

No dia 17 de abril, quando a grande farsa, que causou espanto ao mundo, foi consumada na Câmara dos Deputados, quem estava no Vale do Anhangabaú viu as pessoas se retirarem cabisbaixas, silenciosas e envergonhadas. Era o retrato da derrota antecipada. Era um exército com moral baixo, pois esse exército percebia que seus generais estavam. Na política, assim como na guerra, uma das virtudes cardeais que se requer dos líderes e a coragem. Algo bem diverso ocorreu na Turquia, no final da semana passada, em face da tentativa de golpe. Convocadas pelo presidente Erdogan, milhares de pessoas saíram às ruas, desarmadas e destemidas, parando tanques, desarmando soldados, peitando golpistas. Aqui está a diferença entre uma população com virtude para a luta e uma população desmoralizada e desmobilizada pelos seus líderes, entre um exército com generais capazes de comandar e um exército com generais desertando da luta, alguns porque são incompetentes, outros porque querem salvar a própria pele.

Não resta dúvida de que existem muitos militantes e ativistas combativos, honestos e responsáveis no PT. Mas é preciso sair da letargia, expor publicamente a crise do partido e buscar publicamente uma solução com os combates internos que precisam ser feitos. Não é mais possível se esconder por detrás da autovitimização e da autocomplacência. Assim como a corrupção torna os líderes lascivos e indolentes, a autocomplacência é o lodo onde se afogam todos os princípios, toda a coragem, todos os compromissos. A história é pródiga em demonstrar, inclusive a história da esquerda, que a perda de liberdades e de direitos e a ascensão de ditadores, tiranos e conservadores é culpa da existência de líderes populares que se corrompem.

Não há como ser complacente e autocondecendente. Essas atitudes significam um abandono da luta, uma deserção de princípios, uma imolação da coragem. Se os petistas quiserem se resgatar, dentro ou fora do PT, precisam reagir à situação desmoralizante em que se encontra o partido e a esquerda em geral. Se resgatar significa expor os fundamentos dessa crise, assumir responsabilidades, buscar novos pactos com a sociedade, deixar de culpar apenas os outros, buscar novos caminhos. Afinal de contas, como dizia Weber, se existe um crime político, este consiste em colocar a culpa sempre nos outros. Nesta atitude não é possível nenhuma ética.

Nenhum comentário:

Postar um comentário