2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos Durante a Ditadura Militar

Que vivam os Povos Indígenas! Que vivam Bem!

terça-feira, 24 de maio de 2016

POR QUE O JUCÁ SE TORNOU O SUPERMINISTRO? - I

Vou iniciar com uma história bem pessoal.
Em 1985, fim da Ditadura Militar, a convite de um amigo, Ezequias Heringer – Xará – participei, junto com a família, de um grupo de Estudos e Trabalho-GET da FUNAI. O GET objetivou uma nova política indigenista oficial para o povo Waimiri-Atroari, após o genocídio sofrido durante a ditadura. A primeira decisão do GET foi iniciar uma experiência de alfabetização daquele povo na sua língua materna. A execução dessa iniciativa coube a nossa família. Adotamos o método Paulo Freire, onde, desde o início os índios tiveram o domínio do processo. A experiência inédita foi elogiada e recomenda pelos especialistas da FUNAI. Mesmo assim, em dezembro de 1987, foi interrompida pelo presidente do órgão, Romero Jucá. Em campanha caluniosa que se seguiu, Jucá acusava-nos de estrangeiros(eu gaúcho e minha esposa catarinense), a serviço de mineradoras da Ásia. (Vejam O Estado de São Paulo 08-15 de agosto de 1987, Campanha contra o CIMI). A campanha do Estadão foi financiada pela Paranapanema, dona da Mineração Taboca que explora a maior mina de minérios estratégicos em atividade no mundo, localizada na Reserva dos Índios Waimiri-Atroari. O controle acionário da Mineradora Taboca, em verdade, era exercido por duas firmas japonesas: o Industrial Bank of Japan e a Marubini, acobertadas por “laranjas” brasileiros, entre os quais os irmãos Silvio e José Carlos Tini, este íntimo de Daniel Dantas e Nagi Nahas..
Ainda como Presidente da FUNAI, Jucá assinou no dia 18 de maio de 1987 a Portaria DNPM/O1/87, que visava autorizar a exploração mineral em áreas indígenas, mas foi derrubada pelo Congresso Nacional. Tanto para a Presidência da FUNAI, como para Governador do Estado de Roraima, Jucá foi nomeado por José Sarney, ex-presidente da ARENA, partido dos ditadores. Depois foi eleito senador por Roraima. É óbvio, com toda esta “amizade mineradora multinacional”, e não apenas da Ásia! Ontem, como Presidente da Funai, Governador e Senador, e hoje, como super-Ministro, seu interesse não foi e não será o Brasil. Jucá continuará o principal articulador da entrega das reservas minerais da Amazônia para as empresas, cujo único interesse é saqueá-las e exportá-las como comodities.
Convém ainda observar que existe uma política oculta no Brasil com relação aos minérios estratégicos. 98% de alguns deles, como nióbio e creolita, se localizam em território brasileiro. E são hoje, por motivo de traidores da pátria, como Jucá, objeto de mero saque.
Por tudo isso, a todos e a todas que forem às ruas pelo fim deste Governo golpista todo o meu apoio. PRESENTE!
Casa da Cultura do Urubuí, 19 de maio de 2016,                                                                                                                                         Egydio Schwade0qua 

Nenhum comentário:

Postar um comentário