2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos Durante a Ditadura Militar

Que vivam os Povos Indígenas! Que vivam Bem!

sexta-feira, 8 de março de 2013

De Pedro do Araguaia para o Pedro de Roma

Originalmente publicado por Instituto Humanitas Unicinos.
Em 05 de março de 2013


O manifesto assinado por 2 mil teólogos da libertação, entre eles d. Pedro Casaldáliga, Leonardo Boff e Jon Sobrino, pede ao futuro Papa, quem quer que venha a ser, que considere como prioritária a expectativa dos católicos por uma Igreja aberta para as mudanças exigidas pelo mundo contemporâneo. Casaldáliga ainda enviou um poema ao papa emérito Bento XVI. 



A reportagem é de Dermi Azevedo e publicada pelo Brasil de Fato, 04-03-2013.

Fonte da Imagem: CNBB
Pela primeira vez na história da Igreja Católica, os cardeais eleitores do Papa recebem, de um bispo, um poema. O autor da poesia é o bispo emérito de São Félix do Araguaia/MT, o religioso catalão d. Pedro Casaldáliga, um dos representantes mais expressivos da Teologia da Libertação. 

O texto foi também enviado ao papa emérito Bento XVI. Paralelamente, d. Pedro assinou na semana passada um manifesto de 2 mil teólogos da libertação, entre os quais o brasileiro Leonardo Boff e o espanhol Jon Sobrino, com ampla atuação em todo mundo e que foi punido pelo então cardeal Joseph Ratzinger, quando era prefeito (ministro-chefe) Congregação da Doutrina da Fé (antigo Santo Ofício). 

O manifesto pede ao futuro Papa, quem quer que venha a ser, que considere como prioritária a expectativa dos católicos por uma Igreja aberta para as mudanças exigidas pelo mundo contemporâneo. 

De Pedro do Araguaia para o Pedro de Roma

“Deixa a Cúria, Pedro”

Deixa a Cúria, Pedro,

Desmonta o sinedrio e as muralhas,

Ordene que todos os pergaminhos impecáveis sejam alterados

pelas palavras de vida, temor.

Vamos ao jardim das plantações de banana,

revestidos e de noite, a qualquer risco,

que ali o Mestre sua o sangue dos pobres.

A túnica/roupa é essa humilde carne desfigurada,

tantos gritos de crianças sem resposta,

e memória bordada dos mortos anônimos.

Legião de mercenários assediam a fronteira da aurora nascente

e César os abençoa a partir da sua arrogância.

Na bacia arrumada, Pilatos se lava, legalista e covarde.

O povo é apenas um “resto”,

um resto de esperança

Não O deixe só entre os guardas e príncipes.

É hora de suar com a Sua agonia,

É hora de beber o cálice dos pobres

e erguer a Cruz, nua de certezas,

e quebrar a construção – lei e selo – do túmulo romano,

e amanhecer

a Páscoa.

Diga-lhes, diga-nos a todos

que segue em vigor inabalável,

a gruta de Belém,

as bem-aventuranças

e o julgamento do amor em alimento.

Não te conturbes mais!

Como você O ama,

ame a nós,

simplesmente,

de igual a igual, irmão.

Dá-nos, com seus sorrisos, suas novas lágrimas,

o peixe da alegria,

o pão da palavra,

as rosas das brasas…

… a clareza do horizonte livre,

o mar da Galileia, ecumenicamente, aberto para o mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário